29Ago
2017
0

Ciclo menstrual

A chegada da primeira menstruação é o sinal de que uma rapariga adquiriu a capacidade biológica de ter filhos. Na linguagem comum, este acontecimento é chamado de diversos modos, como -já ser mulher-, já ser senhora-, etc. Há diferentes maneiras de o receber por parte da família.
Não há dúvidas de que constitui um facto importante, que algumas raparigas preterem acolher de um modo muito discreto.
Com a puberdade, o estrogénio (a principal hormona feminina) leva a que os óvulos, contidos nos dois ovários das raparigas desde o nascimento, comecem a amadurecer. A partir desse momento, todos os meses um dos ovários liberta um óvulo maduro. No prazo de 4 a 7 dias. este óvulo transfere-se para o útero através de uma das trompas de Falópio. O útero é o órgão especializado para acolher o novo hóspede, quando se verifica uma gravidez, e por isso prepara-se para o receber tornando- as suas paredes com inúmeras células e com uma rede de vasos sanguíneos ricos em substâncias nutritivas.

Se a rapariga tiver uma relação sexual sem protecção anticoncepcional durante a viagem do óvulo desde o ovário até ao útero, aquele poderá ser alcançado por um espermatozóide: nesse caso verificar-se-á a sua  fecundação.
Se não se verifica a fecundação, o tecido que reveste a cavidade uterina não tem de cumprir a sua função de hospedar o novo ser, pelo que, cerca de 15 dias depois, é expulso com o sangue através da vagina. Este sangue, juntamente  as substâncias e os tecidos que formavam o revestimento macio do útero (endométrio), é designado menstruação, regras ou período.
Em geral, a maioria das raparigas tem as menstruações com intervalos de 28/30 dias, mas também se considera normal um intervalo de 24/32. O tempo que vai desde o primeiro dia da menstruação até ao dia anterior à menstruação seguinte chama-se «ciclo menstrual».

Portanto, o primeiro dia do ciclo menstrual é o dia em que começa o sangramento, não o último, como pensam algumas mulheres e raparigas. Em geral, a ovulação verifica-se no 14.° dia do ciclo. Uma rapariga só pode ficar grávida se tiver relações sexuais, sem usar nenhum método anticoncepcional, cinco dias antes ou um dia depois da ovulação.
Não é fácil identificar com exactidão o momento da ovulação, se bem que, quando os ciclos menstruais são regulares, existam alguns métodos para o calcular com uma probabilidade elevada.  Habitualmente, as menstruações duram entre 4 e 8 dias, desde o início do sangramento até já não se observar nenhuma mancha de sangue. Podem ser
abundantes desde o primeiro dia ou começar com uma perda de sangue ligeira, que em geral tende a aumentar entre o segundo e o quarto dia. Muitas vezes, a primeira menstruação, também chamada «menarca», apresenta-se dois anos depois do desenvolvimento mamário, entre os dez e os doze anos, embora também possa verificar-se antes, aos nove anos, ou depois, aos dezoito. É normal que durante os primeiros anos a seguir ao início das menstruações o ciclo seja irregular, isto é, possa atrasar-se ou antecipar-se (verificar-se uns dias antes ou depois da data prevista). Também pode ser normal que seja assim durante toda a vida, ou em determinadas circunstâncias. Por exemplo, devido à tensão provocada pelos exames, pelas competições desportivas, pelos concursos, pelas emoções fortes, pelas viagens, pelas alterações bruscas de peso, etc.

Ciclo-Menstrual

Nestas circunstâncias também poderá variar a quantidade de sangue ou a duração das menstruações. Quando isto sucede, é sempre recomendável consultar um ginecologista.
Se as raparigas se habituarem a assinalar no calendário os dias de cada mês em que tiveram a menstruação, poderão ter um controlo preciso do seu ciclo menstrual, conhecer as suas características e facilitar a análise por parte do pessoal de saúde especializado.

Quando uma mulher fica grávida, o ciclo menstrual interrompe-se até alguns meses depois do nascimento da criança. O hábito de usar o calendário para controlar a regularidade do ciclo menstrual torna-se muito útil para o especialista poder calcular a duração da gravidez com maior precisão.
As menstruações têm características diferentes para as diferentes raparigas, como também entre as mulheres adultas. Enquanto para algumas é um facto que não altera as actividades normais do dia- -a-dia, há outras que, nesses dias, e por vezes mesmo algum tempo antes, sofrem dores e sensações de tensão na zona onde se situa o útero (no baixo-ventre), maior sensibilidade nos seios, dores de cabeça, fraqueza, um ligeiro inchaço da vulva e tendência para humor instável. Nestas condições, a maior parte das mulheres sente que precisa de consideração e de cuidados. Se sentir necessidade de repouso, deve fazê-lo. Se não houver outra causa que o justifique, não precisa de interromper nenhuma das actividades que se praticam habitualmente, como tomar banho, lavar o cabelo, fazer exercícios físicos, estudar, nadar, ir à praia, dançar, fazer amor. etc.

A presença das menstruações indica que a mulher inicia os seus ciclos «de primavera», porque periodicamente terá a possibilidade, tal como as árvores, de florir e dar frutos, sempre que o deseje.

As menstruações não são uma doença, fazem parte do processo natural de ser mulher. Não devem ser consideradas uma calamidade ou uma desvantagem. São um encontro mensal da mulher com o seu próprio corpo, com a sua capacidade de procriar. São a ocasião para aprender a viver com naturalidade a diferença biológica de ser mulher e de saber escolher os momentos oportunos para a maternidade.

A maternidade é uma responsabilidade muito importante que unia mulher pode escolher. Não deve ser uma obrigação, nem um expediente para obter vantagens emocionais ou materiais, não se deve usar para provar a própria fertilidade, nem como remédio para aliviar a tristeza e a solidão.

Deve ser desejada e planeada com a ajuda de métodos anticoncepcionais. Algumas mulheres não conseguem procriar, e nem sempre a ciência descobre as causas. Uma mulher que não pode ter filhos não é inferior nem
menos mulher que as outras que podem tê-los.
A vida fértil de todas as mulheres inicia-se com a primeira menstruação (menarca), quando os ovários começam a libertar óvulos maduros, e termina por volta dos cinquenta anos, com a última menstruação (quando começa o período da menopausa). Este fenómeno verifica-se durante uma fase importante da vida da mulher, conhecida por climatério, que tem início aproximadamente aos quarenta e cinco anos. com a diminuição gradual e a cessação definitiva da produção de hormonas sexuais, o que vai determinar o desaparecimento da ovulação e das menstruações.

Estas alterações provocam determinadas indisposições físicas e psíquicas, que podem influir nos estados de espírito e de saúde das mulheres, mesmo até cinco ou dez anos depois da menopausa. Tanto o início como o fim da vida fértil são momentos muito delicados que merecem apoio, compreensão, afecto e solidariedade. As graçolas, as sobrecargas de responsabilidades familiares e do trabalho doméstico, a inflexibilidade das exigências quotidianas, a troça e as expressões de desprezo por esta etapa da vida das mulheres provocam-lhes muito mais danos que as complexas alterações biológicas por que estão a passar.